Saiba como identificar o medo excessivo nas crianças e como evitá-lo

27 Jul. 2021 / Maternidade / Estilo de Vida / Dicas

Fonte: Lolly

É muito comum as crianças terem medo de escuro, de bichos, de palhaços, bonecos, de injeções, de monstros, de ficarem sozinhas, entre tantas coisas. O medo faz parte da natureza humana. É um estado emocional que ativa os sinais de alerta do corpo diante dos perigos e uma importante etapa do amadurecimento afetivo de bebês. A tarefa dos pais é ajudar a criança a lidar com essas emoções.  

Na infância o medo é uma emoção natural. Ele pode surgir através de uma situação de perigo real ou imaginária. Por se tratar da infância, nesse período a imaginação e a fantasia das crianças costumam ser terrenos férteis.

Porém, quando se trata de crianças, elas nem sempre sabem lidar com esse sentimento, mesmo sendo uma emoção natural. Mas qual o limite entre o medo normal e o exagerado? O que fazer quando o pequeno começa a sofrer? 

 

VEJA TAMBÉM:  Como prevenir a ansiedade e a agressividade nas crianças

 

Especialistas dizem que sentir a falta de medo expõe a criança ao perigo, mas o excesso dele faz com que a criança desenvolva um bloqueio, por isso, é fundamental   identificar o medo e observar se ele está impedindo seu filho de fazer algo.

 

Sintomas

O medo excessivo causa reações fisiológicas e comportamentais na criança. Coração palpitante, calafrios, suor nos pés e nas mãos, sono intranquilo, descontrole para fazer xixi, diarreia e dor de barriga são alguns indícios do problema. 

As reações comportamentais – inibição e agressividade – por sua vez prejudicam a rotina da criança e podem se agravar e virar fobias, caracterizadas por reações exageradas que fogem ao controle da criança.

 

Como lidar com o medo infantil

Dê atenção, questione e estimule a criança a enfrentar o medo irreal (ou inimigo): ela encontrará sozinha uma solução para suas fantasias. Não gaste tempo demais falando sobre o assunto para evitar que a criança fique ainda mais ansiosa. Mude de assunto e faça com que ela se distraia. 

Brinque com seu filho e entre na fantasia dele (a do bicho-papão, por exemplo): experiências lúdicas ajudam os pequenos a lidar com seus anseios. Avalie a intensidade do medo e se atente para o limite da normalidade.

Ofereça objetos para a criança se sentir mais segura, principalmente na hora de dormir sozinha. São os chamados objetos transicionais, que reduzem a ansiedade da criança durante a passagem para o sono. Pode ser o famoso ursinho, o naná, a boneca e até a mantinha. O importante é que ela tenha algo familiar à mão para enfrentar os temores na hora de dormir. Jamais use o medo da criança como meio de poder: além de cruéis, ameaças de deixar o filho sozinho ou no escuro reforçam o medo inimigo.

 

Quais são os medos mais comuns na infância?

0 aos 6 meses: medos relacionados a ruídos fortes ou perda de apoio/segurança.

7 aos 12 meses: medo de altura e medo de pessoas estranhas.

1 ano: medo de se afastar dos pais.

2 aos 3 anos: medo de barulhos muito altos como trovões, trens, médico, objetos grandes e criaturas imaginárias e pessoas fantasiadas.

4 aos 5 anos: medo de máscaras ou rosto coberto, escuro, monstros, insetos, ficar sozinho, de se machucar, trovão, ladrão e de se perder dos pais.

6 aos 7 anos: medo de bruxas, fantasmas, tempestades, dormir sozinho, que algo terrível aconteça com os pais.

8 aos 10 anos: medos relacionados à aceitação social e performance. Medo de ser rejeitado, ir mal em uma prova, medo de reprovação de ano.

11 anos e acima: medo do futuro e das relações pessoais.

 

Por fim, é preciso estar atento às emoções e sentimentos das crianças. Caso observe que a criança apresenta medo em excesso e que a situação não se resolve, é o momento de procurar orientação, pois muitos sentimentos podem se referir a alguma situação traumática, envolvendo picos de pânico e ansiedade, causando angústia e sofrimento.

 

Recomendados Para Você:

 

© Copyright 2019 - Lolly Baby - Todos os Direitos Reservados